Agnaldo Santos assume Superintendência de Assuntos Indígenas do Estado de Mato Grosso

    0
    694

    Agnaldo Santos, assumiu nesta quinta-feira (19.12.2019), a
    Superintendência de Assuntos Indígenas do Estado de Mato Grosso, ligada à Casa
    Civil, no Palácio Paiaguás.

    Agnaldo Santos e Cacique Graciliano da grande Sangradouro Poxoreu MT

    O novo superintendente possui um trabalho reconhecido em defesa dos assuntos indígenas, preocupado com a qualidade da saúde e educação nas aldeias, bem como frente ao desenvolvimento sustentável dos índios, vem com a missão de implantar políticas e agendas indígenas alinhadas ao âmbito estadual e nacional.

    A cultura indígena é patrimônio histórico imaterial da humanidade, preservar e ter cuidados com a cultura e com as etnias indígenas é um compromisso que Agnaldo Santos assume frente a Superintendência de Assuntos Indígenas. Atualmente Mato Grosso possui o desafio está em assegurar a preservação cultural e obter o progresso econômico das aldeias.

    O Superintendente quer aproximar as ações do Estado, aos interesses indígenas respeitando as vontades dos indígenas e de suas Etnias.Estimular e apoiar os povos indígenas que tiverem o interesse de se tornarem independentes financeiramente ou obter progresso econômico e social, com os mais variados meios de produção como artesanato, turismo, agricultura familiar, agroflorestal, extrativismo, entre outras. Estão dentro das politicas a serem implementadas pela nova superintendência juntamente com o Governo do Estado de Mato Grosso e Governo Federal.

    Agnaldo Santos, Kelcia Patricia Batemarque, Gabriel Patricio Batemarque, Cacique Graciliano da grande Sangradouro Poxoreu MT

                 Agnaldo Santos, assume com o propósito de agregar ideias e melhorar as condições de vida dos povos indígenas, com propostas que serão debatidas entre as lideranças indígenas e lideranças governamentais, assegurando a participação social dos índios, e a transparência em projetos de estudos ligados as etnias e territórios indígenas.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui