Demora na liberação de ouro pela Receita Federal preocupa Mato Grosso

0
39

A demora da Receita Federal na liberação de lotes de ouro destinados à exportação tem causado preocupação em municípios de Mato Grosso, como Poconé. Este atraso, que pode chegar a 90 dias, contrasta com o período normal de 7 a 10 dias e está afetando diretamente a economia local.

Durante a 1ª Expominério, o deputado estadual Max Russi destacou os impactos negativos dessa demora. Segundo ele, a Receita Federal está atrasando a importação e exportação do minério, levando os produtos a ficarem retidos em análise por até três meses. Essa situação, referida como “zona vermelha”, ocorre quando a mercadoria só é liberada após análise documental e verificação física. Russi também apontou que esse atraso permite que o mercado se aproveite para comprar o ouro a um preço mais baixo, prejudicando os produtores.

O prefeito de Poconé, Tatá Amaral (UNIÃO), também expressou sua preocupação nas redes sociais, relatando que a prefeitura foi procurada por mineradoras locais afetadas pela suspensão da compra de ouro. As empresas, que operam em cooperativas, enfrentam dificuldades com o acúmulo de lotes no Aeroporto Internacional de São Paulo.

Para abordar esta questão, uma comitiva de políticos de Mato Grosso, incluindo o governador em exercício Otaviano Pivetta (Republicanos), o senador Jayme Campos (UNIÃO), e os deputados estaduais Janaina Riva (MDB) e Dr. Eugênio (PSB), visitou a sede da Receita Federal em Brasília, solicitando um prazo definido para a análise do ouro destinado à exportação.

Essa situação reflete as preocupações dos mineradores e políticos de Mato Grosso com os atrasos na liberação de mercadorias certificadas, que já alcançaram até 40 dias. O estado, que foi o quinto mais favorecido nos repasses da CFEM em outubro, vê nesse atraso um desafio significativo para sua economia, fortemente baseada na mineração.

Peter Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui