Alemanha condena ex-nazista envolvido em mais de 5.000 mortes

0
328

Notícias Ao Minuto

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS0 – O Tribunal de Hamburgo, na Alemanha, condenou um ex-nazista de 93 anos por cumplicidade em 5.232 assassinatos e tentativas de assassinato durante a Segunda Guerra Mundial.

Bruno Dey foi guarda no campo de concentração de Stutthof, na Polônia, entre agosto de 1944 e abril de 1945, quando tinha 17 anos. Por não ter atingido a maioridade quando cometeu os crimes, ele foi julgado por uma corte juvenil. A Justiça alemã o condenou a dois anos de prisão, mas devido à sua atual idade avançada, Dey teve o cumprimento da pena suspenso e não ficará preso.

Criado em 1939, Stutthof foi o primeiro campo de concentração nazista construído fora da Alemanha. Inicialmente destinado a presos políticos poloneses, acabou recebendo cerca de 115 mil deportados, muitos deles judeus.De acordo com o site do museu de Stutthof, cerca de 65 mil pessoas foram mortas no campo de concentração.

Os promotores do Tribunal de Hamburgo alegam que a maior parte foi assassinada com tiros na cabeça ou por meio de gases letais.Durante o julgamento, Dey reconheceu o período como guarda em Stutthof, mas disse que não teve escolha e não admitiu a responsabilidade pelas mortes.”Gostaria de pedir desculpas a todas as pessoas que passaram por esse inferno de insanidade, e a seus parentes e sobreviventes”, disse ele ao tribunal, conforme relatos da imprensa alemã.

O número de suspeitos pelas mortes de mais de 6 milhões de judeus durante o Holocausto nazista está diminuindo. Dezenas de milhares de potenciais culpados -guardas, comandantes, médicos, burocratas e soldados- morreram como membros respeitados de sua comunidade, sem nunca terem tido que enfrentar um dia sequer em um tribunal ou passar um único dia na prisão.

O julgamento de Bruno Dey é, provavelmente, um dos últimos sobre os crimes cometidos pelo Terceiro Reich. Uma condenação histórica em 2011 abriu caminho para mais processos, pois era a primeira vez que trabalhar em um campo era motivo suficiente de culpabilidade, sem provas de um crime específico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui