Assalto mirava em R$ 500 mil e joias em chácara de político

0
232

MidiaNews

Um dos sobreviventes de um tiroteio com o Bope, que resultou na morte de seis suspeitios, Geovane Ferreira Sodré, de 27 anos, contou em depoimento à Polícia Civil que o grupo tinha a intenção de roubar a chácara de um político.

No local, segundo ele, havia entre R$ 400 mil e R$ 500 mil em espécie, além de ouro, joias e pedras preciosas.

Ele disse que o dinheiro era de corrupção, para pagar um advogado, mas não informou quem seria o político, tampouco o cargo que ocupava.

O confronto com os policiais militares aconteceu no dia 29 de julho passado, no Bairro Itamaraty, em Cuiabá. O local fica nos fundos do condomínio Residencial Belvedere 2.

Segundo Geovane, conhecido como “Gordinho”, um segurança do político contou ao bando que no local havia o dinheiro e os objetos de valor.

“Um rapaz estaria passando informações que nessa chácara tinha aproximadamente de R$ 400 mil a R$ 500 mil, também ouro, joias e pedras preciosas; Que o cara falou que trabalhava como segurança do político; Que um outro segurança também estaria participando do roubo”, diz trecho do depoimento.

De acordo com ele, o roubo estava planejado para o início de julho, mas foi cancelado pelo segurança. No dia em questão seriam roubados R$ 150 mil.

Já na nova tentativa, no dia 29 de julho, o sobrevivente relatou que os seguranças contaram ao grupo, que na chácara estariam somente eles e o caseiro. O político iria chegar ao local por volta das 6h.

“Não houve abordagem policial”

O suspeito ainda contou que o segurança do político foi quem explicou como seria o assalto.

“Ele mostrou uma pistola dele, e disse que eles iriam simular um roubo e era para o bando tomar a pistola dele”, contou.

No dia, o grupo se dividiu em três carros e foi e direção à chácara. Mas no meio do caminho, começaram os tiros.

Geovane diz que não viu nenhum policial e se assustou com os tiros, que atingiram seus comparsas. Segundo ele, não houve abordagem, ou ordem de parada da Polícia, tampouco perseguição.

“Que o depoente abriu a porta do passageiro e saiu correndo, passou pela cerca de arame; que a arma que estava na cintura do depoente caiu, mas não sabe precisar o local; que o depoente e R. (segundo sobrevivente) correram para o mato, atravessaram um córrego e ficaram escondidos em uma chácara; que o depoente estava distante e ainda escutava os disparos, isso uns 20 minutos depois, e o depoente ouviu rajadas vindo do local e barulho de tiro de 12”, diz outro trecho do depoimento.

Ele e o comparsa conseguiram carona e foram deixados na porta de uma policlínica. Geovane foi atingido com um tiro no joelho e nas costas. O suspeito ainda revelou que não conhecia nenhum dos comparsas que estavam com ele no dia da tentativa de roubo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui