sábado, abril 10, 2021
Home Opinião Muita cachorrada para 2021

Muita cachorrada para 2021

ROBERTO BOAVENTURA

Como ainda estamos na primeira quinzena de 2021, e como não pude externar antes, desejo a todos nós, seres humanos, um período repleto de cachorradas.

Com tais votos, não estou desejando nada de ruim a ninguém, embora, nos dicionários, o sentido figurado registre que “cachorrada” seja “ação vil ou malévola”.

Pensando bem, essa metáfora é mais um equívoco dos humanos; pior: é injusta com os cães. Por isso, e também para fugir da mesmice dos votos de sempre de “muita felicidade, paz, amor, saúde e prosperidade”, é que reafirmo: muita cachorrada para todos em 21 e anos subsequentes.

Para explicar meu desejo, começo divergindo de Eduardo Dusek – cantor e compositor de quem sou fã –, que, na última parte do “Rock pra cachorra”, pede que sejamos “mais humano” e “menos canino”, e completa: “Dê guarida pro cachorro/ mas também dê pro menino/ Senão, um dia desses/ você vai amanhecer latindo”.

Essa letra de Dusek é socialmente pertinente, mas comete o deslize de ameaçar os humanos – principalmente aos que cuidam mais dos cães do que de seus semelhantes – com uma das características inerentes aos cachorros: latir.

De minha parte, sem desconsiderar a preocupação central daquela música, eu preferiria ver muitas pessoas latindo a vê-las “falando” tanto nas redes sociais, onde compartilham “opiniões” sem lastro, além de cenas de suas vidas, em geral, miseráveis, embora com “filtro” de felicidade sem-fim.

Pois bem. Usar animais para compará-los a ações dos humanos – positivas ou negativas – parece algo recorrente nas situações mais díspares; e isso remonta a tempos distantes. Quem não se lembra, p. ex., da cobra bíblica que “ludibriou” Eva, fazendo-a experimentar do que, maldosamente, lhe fora proibido? A propósito, à lá questionamento Saramago, se era proibido, por que foi criado? O Pai, que tudo sabe, não conhecia o que estava criando?

Seja como for, aquela serpente, se não foi a fonte originária, foi, com certeza, a que popularizou a comparação de uma pessoa muita astuta (no caso, má) a uma cobra.

As fábulas também são fontes de abundantes comparações: cigarra, formiga, leão, porquinho… A lista é longa. Pela própria lógica que move as fábulas, a comparação dos animais às ações humanas é ato contínuo; tanto que é difícil encontrarmos um animal que não sirva para algum tipo de comparação.

Particularmente, fico de “queixo caído” com esse tipo de exercício feito por Manuel Bandeira, não em uma fábula, mas no poema “Rondó dos Cavalinhos”, de 1936.

Contudo, neste artigo, quero falar só de quatro ações, ou de cenas, mas especificamente caninas. Com isso, pretendo mostrar como seria bom se fôssemos mais caninos e menos humanos, já que estamos mesmo velozmente perdendo a humanidade.

Primeira ação/cena que destaco: os cães “de rua” (“vira-latas”) atravessando ruas e avenidas nas faixas exclusivas de pedestres. Impressionantemente eles sabem o lugar e esperam o sinal fechar!!!

Sempre que os vejo assim, tão respeitosos, tão cuidadosos, sinto constrangimento de minha espécie. Por conta desse respeito canino às regras urbanas, pensadas pelo “homo sapiens” para o dito “homo sapiens”, raramente vemos um cão atropelado. Já o contrário…

Outra atitude canina de arrepiar: aquelas cenas em que os cães ficam, nas portas de hospitais, esperando por seus donos – em geral, mendigos – dali saírem. Há inúmeros desses registros. Já o contrário, muita gente é capaz de ir a uma “clandestina” no mesmo dia que amigos e parentes são hospitalizados, velados ou mesmo enterrados.

A penúltima dos cães que destaco foi vista, por mim, no recente 1º de janeiro; aliás, essa data é o “dia mundial da paz”, uma criação de Paulo VI, nos idos de 67. Eis a cena: dois “vira-latas” – que podem ter se conhecido ali e naquele momento – rolavam, brincando carinhosamente no canteiro central de uma avenida por onde eu caminhava.

Por “ironia do destino”, ao lado exato daquela cena “caninamente pueril” passavam dois carros emparelhados. Seus ocupantes, aos berros, “mandavam-se” mutuamente um tomar naquele lugar. Suas mães – mesmo à distância – também “entraram na desavença”. Era uma briga de trânsito, dessas que, comumente, encaminham-se para a fatalidade.

Meu último destaque refere-se aos acasalamentos caninos nas ruas, e “na frente das crianças”!!! Oh!!!

Excetuando a disputa natural da espécie para ser o “vira-lata” escolhido, pouco se noticia, na mídia, a prisão de algum cão – tomado de ciúmes da cadela que o preteriu publicamente – por ter assassinado, na frente de seus filhotes, “aquela safada, aquela desavergonhada”.

Quem ganhou, cumpre sua função. Quem perdeu, bota o rabo aonde bem quiser e segue seu rumo, mesmo quando não o tem bem definido. Já o contrário, a mídia não deixa de noticiar crimes de feminicídios – na frente dos filhos –, dos quais o Brasil é um dos campeões mundiais. Infelizmente, somos tão bons de bola quanto de bala. Ah! E de bíblia também… É a desastrosa tríade que tem regido um povo completamente desgovernado, sem rumo na Terra.

Pelas cenas acima destacadas, e por muito mais, reafirmo meus votos de um ano cheio de cachorradas para todos. Sem exceção.

 

Roberto Boaventura da Silva Sá é Dr. em Jornalismo/USP. Prof. de Literatura/UFMT.

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments