Câmara dos Deputados Pauta Urgência para Projeto que Restringe Delações Premiadas e Criminaliza Divulgação

0
18

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), decidiu pautar um requerimento de urgência que proíbe a validação de delações premiadas feitas por presos e criminaliza a divulgação do conteúdo dos depoimentos.

A delação premiada é um instrumento de obtenção de provas, onde o acusado ou indiciado troca informações sobre crimes cometidos por benefícios como redução de pena ou progressão de regime. A proposta, apresentada em 2016 pelo então deputado Wadih Damous (PT), surge no contexto da Operação Lava Jato, em meio à turbulência política do governo Dilma Rousseff.

Contexto Histórico e Político

O projeto foi protocolado semanas antes da divulgação da delação do ex-senador Delcídio Amaral, que gerou um grande impacto político. Na época, a intenção era impedir que réus presos da Lava Jato obtivessem benefícios ao delatar e evitar a divulgação de informações prejudiciais ao governo do PT. Hoje, o cenário mudou, com a proposta podendo beneficiar figuras da extrema-direita envolvidas em atos golpistas, incluindo aqueles que têm conexões com o ex-presidente Jair Bolsonaro.

Detalhes da Proposta

De acordo com o texto, a delação premiada só será validada se o acusado ou indiciado estiver em liberdade. A proposta também estabelece penas de 1 a 4 anos e multa para quem divulgar o conteúdo dos depoimentos, sejam eles validados judicialmente ou não. A justificativa do projeto é evitar que a prisão seja usada como instrumento de pressão psicológica, mantendo o caráter voluntário das delações.

Impacto Retroativo

O texto não especifica se as novas regras podem retroagir para anular delações já validadas. Juristas acreditam que, por se tratar de direito processual penal, não seria possível retroagir para afetar delações homologadas, como a de Mauro Cid, que envolve diretamente o ex-presidente Bolsonaro.

Repercussões Políticas

A proposta divide opiniões entre parlamentares e especialistas. Alguns defendem que a medida é necessária para garantir a dignidade dos acusados, enquanto outros criticam a possibilidade de ela ser usada de forma oportunista para proteger aliados políticos.

Criminalização da Divulgação

Especialistas afirmam que a criminalização da divulgação de delações é inconstitucional, pois fere o princípio da liberdade de imprensa e o sigilo da fonte. Michel Saliba, advogado criminalista, reforça que tal medida contraria os fundamentos do estado democrático de direito.

Próximos Passos

O requerimento de urgência permite que o texto seja votado diretamente em plenário, cabendo ao presidente da Câmara decidir a data da votação. O tema deve gerar intenso debate e, possivelmente, ser judicializado no Supremo Tribunal Federal (STF).

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui